Homem morre em ‘câmera de gás’ improvisada em camburão

Mais uma barbaridade da polícia brasileira: Genivaldo de Jesus Santos, 38 anos, portador de deficiência mental, morreu asfixiado em Umbaúba, no interior de Sergipe, após ser jogado no porta-malas de um camburão da Polícia Rodoviária Federal. Os inspetores jogaram gás, que sufocou o homem.

A vítima foi abordada na tarde desta quarta-feira, 25. Mesmo sem manifestar reação, Genivaldo foi imobilizado e colocado no interior da viatura. Em seguida, segundo testemunhas, os policiais lançaram um gás sobre a vítima e trancaram o porta-malas. O crime aconteceu menos de 24 horas o massacre em favela do Rio.

O homem sofria de esquizofrenia e há 20 anos tomava medicamentos controlados. A PRF afirma que a vítima resistiu à abordagem e precisou ser contida com armas não letais, o que testemunhas negam. Um sobrinho de Genivaldo contou que o tio foi abordado quando pilotava uma motocicleta na área urbana da cidade.

Genivaldo, relatam testemunhas, obedeceu a ordem de parada, colocou as mãos sobre a cabeça e foi revistado. Quando os policiais o questionaram sobre cartelas de comprimidos encontrados em seu bolso, ele esboçou uma reação. Os policiais usaram spray de pimenta para derrubá-lo. Um dos agentes chegou a colocar o joelho em seu pescoço. Em seguida, ele foi amarrado e colocado no porta-malas do camburão.

Datafolha: Eleitor de Bolsonaro desaprova STF e não foge de discussão virtual