Merenda escolar já serviu mais de 35 milhões de refeições este ano

Com cardápio saudável, somente de janeiro a abril, foram ofertadas 4,3 mil toneladas de alimentos perecíveis e cerca de 746 mil kg de não perecíveis nas escolas públicas do DF

Refeições nutritivas, cardápios elaborados por nutricionistas e receitas gostosas são o combo de sucesso de alimentação escolar na rede pública do Distrito Federal. Somente de janeiro a abril deste ano, já foram servidas 35.165.503 refeições, 4,3 mil toneladas de alimentos perecíveis e 746.143,90 quilos de não perecíveis.

Os cardápios da alimentação escolar dos estudantes são desenvolvidos por nutricionistas para que essa seja saudável e nutritiva, observando a quantidade necessária de proteínas, lipídios e carboidratos para o desenvolvimento das crianças e adolescentes da rede pública do DF. As refeições são organizadas por meio da política pública do Programa de Alimentação Escolar do Distrito Federal (PAE-DF), de acordo com o período que o aluno permanece na escola.

A alimentação dos alunos da rede pública do DF é composta, atualmente, por 59 itens perecíveis e não perecíveis no total. Entre os perecíveis, estão 32 tipos de frutas, verduras e hortaliças provenientes da agricultura familiar. A aquisição dos produtos dos agricultores familiares incentiva a produção local e movimenta a economia do DF. Esses alimentos são escolhidos considerando os tipos previstos na safra que possuem maior durabilidade após a colheita e manipulação dos fornecedores.

Crianças e adolescentes consomem diversidade de frutas, verduras e hortaliças nas refeições da merenda escolar

O estudante da Escola Classe (EC) 15 de Ceilândia Gustavo Sousa, 8 anos, aprova o cardápio que é servido na escola. “Eu como de tudo, mas o dia da galinhada é o que mais gosto. A sobremesa preferida é banana e manga”, conta o aluno do terceiro ano do ensino fundamental.

Já a colega Luiza Fernandes, 7 anos, que cursa o segundo ano do ensino fundamental na mesma unidade, não consegue escolher uma refeição preferida. “Toda comida da merenda é boa”, elogia.

A diretora de Alimentação Escolar da Secretaria de Educação, Fernanda Mateus, lembra que, além da questão nutricional, uma alimentação saudável colabora para melhorar o processo de ensino-aprendizagem. “Este ano viemos com uma novidade e incluiremos itens lácteos na merenda, como muçarela e manteiga, para deixar a alimentação nas escolas ainda mais completa”, informa.

Opinião dos estudantes

Antes de serem incluídos no cardápio, os alimentos passam por um teste de aceitabilidade entre os estudantes. A Diretoria de Alimentação Escolar mede o índice de aceitação dos alimentos ofertados aos alunos por meio da percepção da visão, olfato, paladar e tato.

Os estudantes consomem a preparação que será avaliada e respondem a um questionário sobre a interação com a comida. Nele, eles avaliam a refeição em uma escala de 1 a 5 pontos, que vai desde “adorei” até “detestei”. A opinião dos estudantes é considerada na escolha final do cardápio da alimentação escolar.

*Com informações da Secretaria de Educação

Mendonça pede vista e suspende julgamentos de Moraes contra Bolsonaro