DF ganhou 58 novas linhas de ônibus e mais de 600 itinerários ampliados

Desde 2019, investimento no transporte público melhora a vida de moradores de todas as regiões administrativas

O Governo do Distrito Federal (GDF) vem trabalhando duro para fornecer mais conforto e opções aos passageiros de ônibus da capital. Novas linhas, aumento de itinerários e uma frota de cerca de 2.800 coletivos estão nas ruas para atender a população. Para se ter uma ideia, desde 2019, foram 58 linhas criadas e 617 itinerários ampliados para facilitar ou incluir novos passageiros.

O Paranoá Parque, desde fevereiro, é atendido por dois ônibus saindo da Rodoviária do Plano Piloto direto para o condomínio e vice-versa | Foto: Lucio Bernardo Jr./Agência Brasília

Percursos novos que visam diminuir o tempo de espera dos moradores de todo o DF, a exemplo dos que atendem o crescente bairro Paranoá Parque. Ou o caso de áreas rurais como Água Quente, no Recanto das Emas, e Aguilhada, em São Sebastião, que passaram a contar com o coletivo circulando por suas estradas de terra.

“Ouvimos a população em visitas aos terminais, em viagens de ônibus e indo às administrações regionais. Essa aproximação faz com que a secretaria possa atender às solicitações e levar linhas de ônibus onde o serviço precisa ser ampliado ou onde não havia opções de ônibus” – Valter Casemiro, secretário de Transporte e Mobilidade

O Paranoá Parque, desde fevereiro, é atendido por dois ônibus saindo da Rodoviária do Plano Piloto direto para o condomínio e vice-versa. Lá, moram centenas de famílias contempladas nos programas de habitação do governo e seus moradores viviam dependentes dos ônibus que circulam por todo o Paranoá. A nova linha faz o trajeto do condomínio até a rodoviária, passando pela W3 Norte e o Setor de Mansões do Lago Norte.

De quebra, ela atende também a parte dos residentes no Itapoã, que preferem pegá-lo para ter conforto. “Eu costumo usar essa linha duas vezes por semana, dependendo dos meus horários. É muito boa, o ônibus vai bem mais vazio”, revela a freelancer Vitória Fogaça, 20. “Facilita para a gente essa opção e acho que o ônibus chega mais rápido”, diz ela. O coletivo não passa pela Ponte JK, diferentemente de outros, e economiza tempo por evitar o local onde são comuns os engarrafamentos em horários de pico.

Comunidade rural alcançada pelo ônibus

Já na comunidade rural Aguilhada, onde vivem cerca de 600 famílias, o ‘novo normal’ é pegar ônibus. Desde o fim de 2021, um coletivo passou a rodar no vilarejo atendendo a moradores e chacareiros. “Melhorou 100% para a gente. O pessoal daqui dependia muito de carona ou muitos iam de bicicleta até São Sebastião para seguir outro destino”, conta o líder comunitário Rafael Sousa, 37.

“Minha esposa, por sinal, usa o ônibus para deixar nosso filho na creche. E o coletivo está ficando cheio, sinal de que o pessoal está se habituando com ele”, emenda o rapaz, que é prestador de serviços.

A secretaria também investe no sistema de integração do transporte, facilitando as viagens. A interligação pode ser feita em qualquer parada de ônibus, estações do metrô e nos terminais rodoviários

Ouvidoria, visitas e terminais e apoio das administrações

A Secretaria de Transporte e Mobilidade (Semob) tem mantido um contato direto com os usuários a fim de receber as demandas e viabilizar novos trajetos, conforme revela o secretário Valter Casimiro. “Ouvimos a população em visitas aos terminais, em viagens de ônibus e indo às administrações regionais”, diz. “Essa aproximação faz com que a secretaria possa atender às solicitações e levar linhas de ônibus onde o serviço precisa ser ampliado ou onde não havia opções de ônibus”, complementa.

A pandemia do coronavírus também trouxe desafios ao setor. Segundo a pasta, ao longo de 2020 – quando ela surgiu – o movimento de passageiros chegou a cair a até 75% em alguns meses.

“A frota não parou, diferentemente de outros estados. A Semob fez algumas alterações para atender a população a contento. E para deixar tudo em ordem quando retomássemos a normalidade”, explica o subsecretário de operações, Márcio Antônio de Jesus. Segundo ele, a demanda por ônibus retornou, no momento, a um percentual de 90% do usual, com um total de 1,1 milhão de passageiros atendidos por dia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Ibaneis estuda atender 80 mil famílias no DF com o Cartão Prato Cheio