Anvisa aprova uso emergencial do Paxlovid, antiviral contra covid-19

Prescrição deve ser feita por infectologistas e com experiência em tratamento da doença

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou nesta quarta-feira, 30 de março de 2022, o uso emergencial do Paxlovid, antiviral fabricado pela Pfizer, contra covid-19. O pedido havia sido feito em 15 de fevereiro, mas apenas agora a decisão foi tomada, em reunião da Diretoria Colegiada do órgão.

Apesar da aprovação, o medicamento deve ser prescrito por médicos especialistas em infectologia e com experiência em tratamento da doença. É o que alerta a professora Soraya Smaili, farmacologista da Escola Paulista de Medicina, que foi Reitora da Unifesp no período 2013-2021 e é coordenadora do Centro SOU Ciência, lançado em julho de 2021.

“Trata-se de um medicamento que vem sendo estudado desde o ano passado, em novembro de 21 foram publicados os dados considerados bem promissores. Em dez foi aprovado pelo FDA nos Estados Unidos e aqui no Brasil estava em análise pela Anvisa, que agora aprovou de maneira emergencial. Os resultados apresentados até o momento foram muito promissores”, afirma Soraya.

“Mas toda a atenção é necessária. O medicamento ainda está em fase de aprovação emergencial, é preciso acompanhar. Deve ser prescrito por médicos especialistas em infectologia e com experiência em tratamento da covid-19”, completa a professora.

O Paxlovid é o primeiro antiviral para o coronavírus aprovado no Brasil e o primeiro que é de uso oral, sendo que o paciente não precisa de hospitalização para ter o tratamento. Segundo Soraya, também é uma ferramenta importante para o tratamento inicial da doença, nos primeiros dias dos sintomas e pode evitar que a pessoa fique gravemente doente.

“Torna-se bastante importante em paciente com imunidade mais comprometida, ou com aqueles que têm doenças de base, além dos idosos que já receberam as vacinas há mais tempo e que têm uma imunossenecência. É uma medida importante e acrescenta em termos de alternativas para aqueles que são infectados pelo coronavírus”, considera a farmacologista.

O Paxolovid é um inibidor de protease, que é uma enzima que o vírus utiliza para aumentar a replicação e se espalhar. Por isso, ajuda a diminuir a circulação do vírus em pacientes logo nos primeiros dias dos sintomas.

“Essa é uma notícia importante, porque traz novas possibilidades. Porém, ainda não está disponível no SUS e esperamos que possa ser acessível para as pessoas pelo Sistema Público, já que se trata de uma medida de saúde coletiva”, considera também Soraya.

Por Ana Paula Rogers

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mendonça pede vista e suspende julgamentos de Moraes contra Bolsonaro