Afinal de contas, o que não é o Metaverso?

Sim, você leu certo. Segundo o mundo da tecnologia, ainda é difícil dizer exatamente o que é o Metaverso, mas já é totalmente possível explicá-lo por meio do que ele NÃO é.

Graças às novas tecnologias e, vamos ser justos, ao Facebook, o Metaverso deixou de ser algo reservado ao mundo restrito e especializado da tecnologia agora virou conversa de elevador. “Estamos nos habituando cada vez mais ao termo Metaverso, mas poucos de nós têm a exata noção do que ele é”, explica Guilherme Stella, fundador da TrackFY, empresa especializada em soluções de mapeamento digital.

Recém-chegado da Geoweek Denver, uma das maiores feiras do mundo de mapeamento digital e tecnologia tridimencional, onde se deparou com vários debates sobre o Metaverso, Stella enfatiza: “é difícil, ainda, definir o que o Metaverso é. Mais fácil, nesse sentido, seria dizer o que ele NÃO é. E aí, sim, podemos começar a desenhar um universo mais próximo do que efetivamente já existe”.

Já existem vários próprios conceitos formados e, para complicar, também existem milhares de definições e descrições muito distintas, umas das outras, na internet. “O Facebook deu um passo à frente ao jogar luz sobre tema e popularizar o assunto, mas “por ser uma ferramenta ainda em estágio embrionário de desenvolvimento, seu conceito e sua usabilidade estão longe de uma definição conclusiva”, lembra Stella.

Metaverso
Para Guilherme, falar sobre o que o Metaverso NÃO é, pode ser um caminho mais assertivo para compreendê-lo. Nesse sentido, o que não é Metaverso?

· Games e conteúdos tridimensionais (Second Life, Minecraft, CS ou qualquer MMO);

· Experiências virtuais (realidade virtual, aumentada e mista;

· Streaming virtual (IOT – internet das coisas e streaming de eventos virtuais).

O que os três têm em comum? São aleatórios, têm começo e fim, e uma atuação limitada do usuário. Todos são experiências virtuais, isso não podemos negar. Mas não são o Metaverso. “O Metaverso é uma realidade paralela e contínua na qual as experiências acontecem”, explica Guilherme. Ele lembra também que a autonomia e a amplitude de ação do usuário dentro do Metaverso podem ser infinitas, assim como no mundo real e não limitada a um universo com começo e fim como acontece em games e experiências virtuais pontuais.

Porém, ele complementa: “apesar desses elementos e experiências não representarem por completo o Metaverso, não significa que não estarão presentes no mesmo, pelo contrário. O Metaverso é um streaming continuo, de ambientes virtuais cheios de conteúdos tridimensionais”.

Apesar de Mark Zuckerberg ter sido pioneiro ao apresentar massivamente esse novo universo ao mundo, o Metaverso não será uma propriedade privada, mas, sim, um novo sistema de protocolo global, de computadores interconectados que criam uma infinita rede de informação. “O Metaverso é a evolução da internet”, finaliza Guilherme.

Sobre a TrackFY

A TrackFY é uma empresa brasileira especializada em soluções de mapeamento e rastreamento tridimensional para os segmentos de saúde, construção, engenharia reversa, mineração e topografia, além de automação automotiva. Com mais de 300 clientes, entre eles empresas como Andrade Gutierrez, Loft, Votorantin, , AACD e Tecfit, a empresa é uma das líderes nacionais em vendas de sensores 3D de pequeno porte e representa com exclusividade na América Latina alguns dos maiores fabricantes mundiais no desenvolvimento de tecnologia para digitalização 3D, como Occipital Inc., Gexcel e Cepton.

Fonte: TECPRESS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mendonça pede vista e suspende julgamentos de Moraes contra Bolsonaro