UnB desenvolve respirador mecânico que vai custar até 65% mais barato que o preço pratica no mercado

O equipamento é vendido no mercado hoje por até R$ 100 mil. Protótipo recebe os últimos ajustes e vai permitir controle a distância

A Universidade de Brasília, com o apoio da Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAP-DF), desenvolveu o protótipo de um tipo de respirador mecânico com custo-benefício bem mais em conta que os equipamentos vendidos atualmente no mercado.

O equipamento deve custar até 65% a menos que o mesmo tipo de produto considerado de primeira linha no mercado. Um respirador mecânico é oferecido ao preço que varia entre R$% 60 mil a R$ 100 mil. “Nós fizemos um produto para que possa ser vendido na faixa dos 30 a 35 mil”, estima o coordenador do projeto Sanderson César Macêdo Barbalho.

Professor do Departamento de Engenharia de Produção da UnB, Sanderson disse que utilizou mais de 300 componentes eletrônicos no respirador mecânico. As peças foram adquiridas no mercado pela Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos (Finatec), que é outra instituição parecera da pesquisa. “Foi a maior compra de componentes que a Finatec realizou”, afirma.

A novidade nesse tipo de respirador em relação aos outros é a introdução de um descontaminador. Segundo ele, o equipamento já faz o trabalho de limpar o ar que sairá do equipamento durante o seu uso. “O acompanhante ou os profissionais de saúde pode ficar perto, que não será contaminado”, acrescenta.

O protótipo é todo automatizado. O futuro respirador será controlado por um programa que pode ser baixado para o celular e monitorado a distância. É justamente esse sistema de controle, por Software, que está sendo testado para então ser aplicado em seres vivos. Primeiro, em porcos. Depois em humanos.

Tanto a parte física quanto o programa serão patenteados pela UnB. A empresa que se interessar em adquirir o projeto e arcar com os custos da fabricação em grande escala, deverá procurar a Agência de Inovação da UnB e obter a transferência de tecnologia.

O projeto chamado de Desenvolvimento de Respirador Decânico de Baixo Custo com Sistemas de Controle de Volume e Pressão e Adequado às Condições Sanitárias para Pacientes em UTI Devido ao Covid-19, o projeto recebeu investimento de R$ 1,1 milhão. O valor foi repassado pela FAP-DF no âmbito do Convênio 03/2020, que conta com orçamento global de R$ 30 milhões para apoiar projetos e ações de pesquisa, inovação e extensão destinadas ao combate à Covid-19.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mendonça pede vista e suspende julgamentos de Moraes contra Bolsonaro