A engrenagem de Brasília: SIA 

O que sustenta o maior produtor do PIB de Brasília? Com vocês, a força das engrenagens da Capital Federal

A Região Administrativa do Setor de Indústria e Abastecimento (SIA)  nasceu antes de Brasília ser inaugurada. No local, quando a cidade estava em construção, eram armazenados todo o material para as obras, tempos depois as empresas foram se instalando no local. 

Hoje, existem no local, mais de mil empresas instaladas de todos os ramos. A região administrativa veio somar e incrementar a capital, num local onde se concentra mais de 60% do PIB do Distrito Federal. É um pólo industrial que muito ajuda Brasília, porque mais de mil empresas de todos os ramos, automobilístico, de construção, de publicidade e outras.

A RA do SIA foi criada em 2006, apesar de ter 55 anos de existência. O setor é formado por 4 trechos e pelos setores de cargas e de inflamáveis, além do trecho 17, que é o mais novo, criado com o Pró-DF e que agrupou diversas novas empresas.

Para se ter uma ideia sobre o poderio financeiro do SIA, trata-se da área econômica mais representativa do Distrito Federal. Ela responde por 56% da arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) do Distrito Federal. 

Hoje a região agrega desde o feirante e o pequeno e médio empresário até grandes empresas locais e nacionais. Juntos, esses empreendimentos geram cerca de 90 mil empregos na região administrativa, que chega a receber mais de 200 mil pessoas por dia.

Para dar ainda mais vigor ao SIA, o setor conta com mais de 23 fábricas e 5 mil empresas, além de 2,5 mil estabelecimentos comerciais. Do total de empreendimentos, as lojas representam 69%; os escritórios, 15%; os depósitos, 4%; e as oficinas, 2,8 %. Desse quantitativo, há ainda mais de 268 filiais de outros estados no SIA, sendo 17% de São Paulo, 12% de Goiás e 6% de Minas Gerais.
 
Com o objetivo de fazer com que o setor produtivo do SIA trabalhe com segurança jurídica e, ainda, para manter a região como o importante polo de desenvolvimento econômico do DF, o setor conta com uma atuação de excelência da administração local, que emite alvarás de construção, cartas de Habite-se e licenças de funcionamento de atividades econômicas e muitas outras atribuições. 

Para manter a cidade limpa, por exemplo, a administração capitaneia regularmente os trabalhos de roçagem e capina. Além disso, o entulho é recolhido todos os dias. 

Investimentos 

Foram investidos R$ 3,2 milhões em obras de drenagem de águas pluviais para reduzir os alagamentos. Foi ainda construído um novo estacionamento no Setor de Inflamáveis e outro para carretas no Setor de Transportes Rodoviários e Cargas (STRC). 

O setor passou a contar, ainda, com uma unidade do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). Além disso, houve melhoria no sistema viário e na iluminação para garantir segurança e conforto aos transeuntes. 

Iluminação

Foram instaladas 824 novas luminárias de LED, que vão substituir as lâmpadas convencionais. Desse total, 557 unidades serão destinadas ao Setor de Transporte Rodoviário e Cargas (STRC) e outras 267 unidades vão para o Setor de Oficinas Norte (SOF Norte). Já no Setor de Inflamáveis (SI) serão instalados 44 novos pontos de iluminação pública.

A renovação da iluminação no SIA vai custar R$ 1,3 milhão. A administração vai cobrir R$ 772 mil, por meio de seu próprio orçamento. Desse total, R$ 604 mil serão destinados à instalação dos postes no setor de Inflamáveis. O restante, R$ 168 mil, irá para os serviços no SOF Norte.

No setor de Cargas, a instalação de 557 lâmpadas de LED foi orçada em R$ 546 mil, fruto de emenda parlamentar do deputado Rodrigo Delmasso.

A administradora do SIA, Marcela Oliveira, observa que o sistema LED é cada vez mais usado em projetos de iluminação pública. “São lâmpadas que garantem mais sustentabilidade, menor gasto de energia, economia aos cofres públicos e mais segurança para a população”, afirma.

Projetos

E os projetos para transformar o SIA em um lugar ainda mais atraente aos empresários e suas empresas não param. O deputado Rodrigo Delmasso, por exemplo, trabalha arduamente para colocar projetos importantes na pauta, como a ideia de criar uma espécie de zona franca de logística. 

“O objetivo é que o governo trabalhe com alíquotas menores ou mesmo a isenção de impostos para as empresas que estão no SIA. Queremos manter as empresas que ali estão e atrair novas e assim como um polo de distribuição. Isso será uma grande fonte de geração de empregos. Não podemos aceitar que mais de 400 mil pessoas estejam desempregadas no DF”, diz o deputado Delmasso. 

É da lavra de Delmasso, ainda, projetos que trouxeram grande conforto e segurança aos transeuntes diários do SIA, como a implantação de câmeras pelos trechos do setor. São câmeras em alta resolução. Todas as imagens são transmitidas para o Centro Integrado de Operações de Brasília (Ciob), que reúne órgãos, instituições e agências do Governo do Distrito Federal (GDF). 

O Centro de gestão compartilhada reúne serviços voltados para segurança, mobilidade, saúde, prestação de serviço público e fiscalização e funciona de forma ininterrupta, ou seja, de segunda a domingo, 24h por dia.

Projetos assim ajudam a demonstrar o poder de transformação do SIA e o quanto os membros do poder público trabalham arduamente para fazer o setor que corresponde com a maior fatia do PIB de Brasília continuar grandioso. “No que depender da minha atuação enquanto parlamentar, continuarei firme no meu trabalho em nome de Brasília”, arremata Delmasso. 

Marcela Oliveira, administradora do SIA, comemora a parceria da administração com o representante da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) e pontua mais benfeitorias ao setor. “Podemos comemorar a construção do estacionamento do trecho 4, a instalação de novos abrigos de ônibus, o projeto de uma creche para o setor e o nosso trabalho contínuo pelo SIA e pelos brasilienses”, diz a administradora. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mendonça pede vista e suspende julgamentos de Moraes contra Bolsonaro